Escola de Bicicleta

mobilidade & recreio

Testemunhos de alunos: Sónia C.

alunas escola de bicicleta cenas a pedal

 

«Nunca pensei sentir-me tão segura e feliz em cima da bicicleta e isso só foi possível com esta abordagem e aprendizagem.

Ana sempre super paciente, positiva e muito conhecedora da causa. Obrigada por tudo!»

Sónia C., aluna de uma das edições do Curso de Iniciação à Bicicleta, Lisboa, Novembro de 2017.

 

A Sónia frequentou um Curso de Iniciação à Bicicleta, no módulo de 8 horas para principiantes absolutos (ou seja, quem ainda não se equilibra minimamente em 2 rodas). Pretende continuar entretanto a sua aprendizagem na Escola de Bicicleta da Cenas a Pedal, comprar uma bicicleta e começar a andar nela para passear e no dia-a-dia, incluindo para levar os filhos à escola, tal como o marido.

Ficamos muito felizes por poder contribuir para tal – andar de bicicleta nas deslocações do dia-a-dia é bom para quem o faz e é bom para a cidade! 🙂

 

A Sónia a comemorar com as colegas as vitórias no final do Curso de Iniciação à Bicicleta, em Novembro de 2017.

Cyclehack: co-criação cultural nos usos da bicicleta

 

Este cyclehack do travão de parqueamento para bicicletas melhorou imenso a nossa vida. Não é à toa que foi o usado para fazer o vídeo de apresentação da 1ª edição do CycleHack Global em Lisboa, em Junho do ano passado, na Maker Faire.

 

https://cyclehacklisboa.tumblr.com/post/145309875591/aqui-partilhamos-um-cyclehack-que-vos-será-muito

 

E a mim este outro truque do transforma-a-saia-nuns-calções, o “pennyinyopants”, deu imenso jeito, foi uma grande descoberta também!

 

Penny In Yo’ Pants: The Prototype from Penny in Yo’ Pants on Vimeo.

 

Sim, funciona mesmo!

 

https://cyclehacklisboa.tumblr.com/post/145925943008/no-fim-de-semana-do-cyclehack-lisboa-podes

 

É por este exercício divertido de criatividade e partilha de experiências e de ideias – e descobertas! – que este movimento do CycleHack é tão positivo, e tão interessante. E é por isso que vamos lá estar batidos novamente este ano.

Foi fixe ter a Escola de Bicicleta da Cenas a Pedal a contribuir para a 1ª edição em Portugal do CycleHack, em 2016, intervindo no painel de oradores, falando de cultura e infraestrutura.

Este ano há nova leva de oradores, e nova oportunidade de inventar coisas giras que façam diferença na vida de quem opta por andar de bicicleta. ‘Bora daí? 🙂

Passeios de bicicleta mais inclusivos

No final do ano passado lançámos na Escola de Bicicleta da Cenas a Pedal a modalidade do Recreio, que consiste em passeios de bicicleta mais inclusivos do que a oferta típica.

Fizémo-lo a pensar nas necessidades dos nossos alunos e ex-alunos, bem como de outros principiantes,  pessoas que retornam à bicicleta depois de décadas afastadas, e famílias com crianças. (Embora quaisquer outros interessados em desfrutar de um passeio descontraído sejam bem-vindos!)

O objectivo é proporcionar-lhes um contexto compatível com o seu nível de habilidade, e amigável, onde possam desfrutar da bicicleta sem stress, conhecer rotas (e pessoas) e ir praticando as suas competências, sempre com companhia e apoio. Queremos evitar que desistam da bicicleta por ficarem intimidados pelos passeios colectivos tradicionais ou com a perspectiva de se fazerem à estrada sozinhos.

E como não se pretende permanecer para sempre no estado de principiante, a ideia é promover também passeios ou excursões para introduzir as pessoas a passeios mais elaborados ou até viagens de 2-3 dias.

 

Passeios de bicicleta mais inclusivos

Entretanto, alguns destes passeios (os de Nível 1) são ainda mais inclusivos, porque têm os triciclos do projecto “Envelhecer em Cidadania”, da Coração Amarelo, nossa parceira, à disposição para quem quiser participar com um amigo ou familiar que não possa pedalar a sua própria bicicleta. A participação de ambos é gratuita.

 

passeios de bicicleta mais inclusivos com os triciclos da Van Raam

 

Há 4 rotas para estes passeios de bicicleta mais inclusivos, todos a partir de Belém (onde estão guardados 2 dos triciclos), e todos adequados a principiantes e famílias. São mesmo para quem ainda não se sente muito confiante mas quer corrigir isso e começar a desfrutar da bicicleta no processo.

 

Para terem uma ideia do que são estes triciclos e do que permitem, vejam este vídeo:

 

 

Os triciclos são muito confortáveis para o passageiro, mesmo em piso irregular (têm supensão dianteira), e bastante estáveis e fáceis de conduzir. Nós sabemos, já os testámos!

 

passeios de bicicleta mais inclusivos com os triciclos da Van Raam

No dia do test ride e avaliação de compatibilidade com a rota, até tivemos a sorte de receber um livro de brinde, oferta do Manuel Costa Félix, o entusiasta das bicicletas no outro lado desta parceria.

 

»» Neste próximo sábado, dia 22 de Abril às 14h30, teremos mais um destes passeios inclusivos, este vai levar-nos de Belém até Caxias, e de volta, junto ao rio. As inscrições fecham amanhã! ««

 

De notar que os interessados em levar o avô ou a avó a passear nestes triciclos o podem fazer fora do contexto destes nossos passeios, basta contactarem com antecedência a Coração Amarelo, a combinar, e eles enviam um voluntário!

Para receberem a agenda de passeios, eventos, workshops, etc, subscrevam a nossa newsletter mensal. De resto, podem seguir a agenda no Eventbrite e no Facebook da Escola de Bicicleta, ou no Facebook geral da Cenas a Pedal.

O que são as novas Zonas Avançadas para Bicicletas em Lisboa?

Estão a surgir em Lisboa locais com um novo tipo de marcação rodoviária dedicado às bicicletas. Aqui estão a chamar-lhes ZAB, Zonas Avançadas para Bicicletas, e pintam-nas de verde.  É algo já antigo e comum noutros países, já existem exemplos no Funchal desde 2015, mas só chega agora a Lisboa, num projecto da Urbactiv para a intervenção da Câmara Municipal de Lisboa no Eixo Central. Já as viram?

 

zonas avançadas para bicicletas

Foto: Urbactiv

 

Lá fora chamam-lhes Advanced Stop Line (ASL), ou seja “linha de paragem avançada”, “caixa de paragem avançada” ou simplesmente bike boxHá dois tipos comuns: a in-line bike box e a cross-street bike box:

Em Lisboa estão a implementar apenas as primeiras, pelo que nos focaremos aqui apenas nestas. (Infelizmente, pois há muitos locais onde as segundas seriam mais úteis.)

 

O que são as ZAB – Zonas Avançadas para Bicicletas?

As ZAB são zonas de paragem avançada para bicicletas e estão normalmente associadas a intersecções controladas por semáforos.

 

Intersecção normal ANTES da introdução de uma ZAB:

 

zonas avançadas para bicicletas

Foto: Google Maps.
A – linha de paragem obrigatória com o sinal vermelho
B – zona de passagem de peões
C – zona tampão de segurança

 

Intersecção DEPOIS da introdução de uma ZAB:

 

zonas avançadas para bicicletas

Foto: Pedro Nóbrega
A – linha de paragem obrigatória com o sinal vermelho
B – zona de passagem de peões
C – zona só para bicicletas

 

As Zonas Avançadas para Bicicletas foram inventadas para tentar minimizar os riscos acrescidos causados pela segregação de modos nas intersecções (face à normal segregação por destinos) não intermediada por ciclos de semaforização independentes, nomeadamente onde seja permitida a viragem à direita.

 

zonas avançadas para bicicletas

 

Esta segregação pode verificar-se pela existência de (má) infraestrutura (ciclovia à direita da via de trânsito geral mais à direita, como na ilustração anterior) ou pelo (mau) posicionamento dos condutores de bicicleta (ao circularem encostados à direita dividindo a via de trânsito com automóveis).

O uso seguro deste tipo de infraestrutura implica competências de Nível 3. Condutores de bicicleta com estas competências já fazem o essencial que esta infraestrutura visa facilitar mesmo onde ela não existe. As ZAB, simplesmente por existirem, não permitem que condutores inexperientes, ou experientes mas mal informados, as usem em segurança.

Subscreva a nossa newsletter mensal para receber a agenda de workshops, cursos e palestras e melhorar a sua experiência de uso da bicicleta.

 

Para que servem as Zonas Avançadas para Bicicletas?

 

A utilidade e funcionalidade das ZAB dependem:

  • do contexto em que se inserem: nº de vias, em que direções é possível virar a partir da rua em causa, se há ou não ciclovias de alimentação da ZAB ou espaço para ultrapassagem, do nível de congestionamento antes e depois do cruzamento, etc
  • da forma como cada condutor de bicicleta se posiciona na estrada ao aproximar-se do cruzamento e na própria ZAB, e qual a direcção que deseja tomar
  • e de quando o condutor da bicicleta chega à ZAB, se com o sinal verde, amarelo ou vermelho

 

Vantagens gerais das Zonas Avançadas para Bicicletas

 

  • Condicionamento (ou priming) psicológico dos outros utentes das vias públicas para a presença de bicicletas e seus utilizadores. Este condicionamento é mais benéfico [do que as ciclovias, e parques de estacionamento] enquanto tal porque:
    • 1) é mais eficaz porque os gráficos e cores e espaços da ZAB estão numa zona aos quais os condutores prestam naturalmente atenção porque a utilizam
    • 2) não ocorre à custa da segurança da infraestrutura para os seus utilizadores

 

zonas avançadas para bicicletas

Foto: Urbactiv

 

  • Mais segurança para os peões – maior zona tampão entre estes e os automóveis.
  • Mais conforto para os peões – menor exposição ao ruído e à poluição dos automóveis.
  • Mais conforto para os condutores de automóvel – se, durante o vermelho, as bicicletas filtrarem as filas de carros e se concentrarem todas na bike box, tornam-se um quase-pelotão. Isto torna-as mais fáceis de detectar pelos outros condutores, e de ultrapassar num só bloco quando uma oportunidade segura surgir.

 

Vantagens da ZAB para os condutores de bicicleta

 

Chegando lá com o sinal verde:

  • Nenhuma, não há diferença face a uma intersecção sem a ZAB.

 

Chegando lá com o sinal vermelho:

  • oferece um espaço de escapatória da poluição gerada pelos automóveis acumulados atrás (que é um dos problemas graves de Lisboa). As bicicletas não poluem o ar e os seus condutores e passageiros não devem sofrer desnecessariamente com a poluição causada por quem opta por se deslocar num veículo poluente.
  • Oferece um espaço amplo à frente dos carros onde parar facilmente depois de filtrar as filas de trânsito, e antes de retomar a marcha quando o sinal ficar verde.
    • Permite reduzir os tempos de deslocação. Os congestionamentos de trânsito em Lisboa ocorrem porque demasiadas pessoas optam pelo carro para se deslocarem. Mesmo quando viajam sozinhas ou com apenas um passageiro, e mesmo quando têm outras alternativas viáveis. Quem opta por meios mais sustentáveis não deve ser desnecessariamente prejudicado por elas.
    • Legitima para os utilizadores de bicicleta esta prática disseminada entre todos os condutores de veículos de duas rodas.

 

bicicletas na bike box

Foto: Manuel Costa Henriques, durante a Massa Crítica de Março 2017

 


Vou de carro ou de mota: o que esperar e o que fazer numa destas Zonas Avançadas para Bicicletas?

 

  • Se apanhar o sinal vermelho, páre sempre ANTES da linha de paragem (agora recuada face ao normal).
  • Se apanhar o sinal amarelo, prossiga só se não conseguir parar em segurança ANTES da linha de paragem (agora recuada face ao normal). Atenção ao excesso de velocidade.
  • Com trânsito congestionado aja normalmente como em passadeiras e cruzamentos. Garanta que não avança (mesmo com o sinal verde) se não tiver já espaço para parar, se necessário, depois da ZAB (e da passadeira!).

 

zonas avançadas para bicicletas

Foto: Luís Paquete
Não faça isto, vai ficar mal visto e com razão.

  • Se parou parcial ou totalmente numa ZAB, recue para a posição correcta se não tiver veículos atrás de si.
  • Ao cair o sinal verde, confirme que não há nenhuma bicicleta a aproximar-se pela sua direita ou esquerda e prestes a colocar-se à sua frente. O condutor pode não se ter apercebido da iminente mudança de sinal) na ZAB (ou fora da ZAB, de resto!).
  • Se vai de mota: lembre-se que uma das funções da Zonas Avançadas para Bicicletas é resguardar os utilizadores de bicicleta da poluição automóvel. Se puser lá a sua mota só “porque cabe” está a anular esse efeito. Vai ficar mal visto e com razão… Nunca se coloque à frente ou ao lado dos utilizadores de bicicleta, mantenha-se afastado atrás – terá tempo para os ultrapassar depois.
  • Cuidado com as travagens, e cuidado com o excesso de velocidade com ciclistas à frente. Há relatos de perda de aderência do piso com a tinta que está a ser usada.

 

 

Vou de bicicleta: o que esperar, o que fazer numa destas Zonas Avançadas para Bicicletas?

 

  • Depende muito de uma série de circunstâncias, e do condutor de bicicleta em causa e da sua própria análise de risco. Este diagrama de fluxo ilustra sucintamente algumas variáveis a analisar:

 

zonas avançadas para bicicletas

Diagrama adaptado de um do blog The Mind of a Helmet Camera Cyclist

  • Cuidado com o momento em que chega à ZAB e com os movimentos dentro da mesma! Evite usar a ZAB como se fosse uma ciclovia para cruzar vias de trânsito enquanto o sinal está vermelho.

 

zonas avançadas para bicicletas

Imagem: bikexprt

Não importa se o condutor da bicicleta vindo pela direita (a) está a usar uma ciclovia existente ou não. O momento em que se atravessar à frente do primeiro automóvel (b) é de risco se ocorrer quando o sinal fica verde – o seu condutor não estará à espera.

Da mesma forma, se continuar e se atravessar na via a seguir corre o risco de ser abalroado se ficou verde nesse momento. O condutor que lá esteja ou aproxime não estará à espera dessa manobra, e o automóvel na via ao lado pode ocultar a sua presença e os seus movimentos até ao último instante.

 

  • NUNCA SE COLOQUE AO LADO OU IMEDIATAMENTE À FRENTE DE UM VEÍCULO PESADO, mesmo que este esteja parado, e mesmo que haja uma ciclovia ao lado e/ou uma Zona Avançada para Bicicletas / bike box à frente! Arrisca ser abalroado quando o condutor retomar a marcha! Lembre-se: garanta sempre que é visto por quem interessa.

 

 


Qual o enquadramento legal das Zonas Avançadas para Bicicletas?

 

Após as grandes alterações de 2013 ao Código da Estrada no que aos velocípedes diz respeito, a consequente revisão e alteração ao Regulamento de Sinalização do Trânsito (RST) está ainda por anunciar, o que causa alguns constrangimentos à inovação, e à evolução da sociedade (da qual as alterações de 2013 foram um reflexo). Contudo, ficamos satisfeitos de ver que isso não está a impedir a CML de avançar e de experimentar novos (cá) conceitos com o intuito de melhorar a cidade.

Esperemos que o governo termine este trabalho de revisão legislativa quanto antes, para que a lei possa acompanhar de forma clara e inequívoca as práticas vigentes seguras.

 

Fazendo a revisão de uns conceitos básicos do CE & RST:

 

Artigo 61º – Marcas transversais
As marcas transversais, apostas no sentido da largura das faixas de rodagem e que podem ser completadas por símbolos ou inscrições, são as seguintes:

M8 e M8alinha de paragem e linha de paragem «STOP»: consiste numa linha transversal contínua e indica o local de paragem obrigatória, imposta por outro meio de sinalização; esta linha pode ser reforçada pela inscrição «STOP» no pavimento quando a paragem seja imposta por sinalização vertical;

M11 e M11a — passagem para peões: é constituída por barras longitudinais paralelas ao eixo da via, alternadas por intervalos regulares, ou por duas linhas transversais contínuas e indica o local por onde os peões devem efectuar o atravessamento da faixa de rodagem; nos locais onde o atravessamento da faixa de rodagem por peões não esteja regulado por sinalização luminosa, deve utilizar-se a marca M11.

 

 

Artigo 65º – Sanções
Quem infringir as prescrições impostas pelas marcas rodoviárias é sancionado:
a) Com coima de 10 000$ [50 €] a 50 000$ [250 €], quando se trate das marcas […], M8 e M8a; [nota: coima reduzida para metade quando se trata do condutor de um velocípede, segundo o Art. 96º]

c) Com coima de 1000$ [5 €] a 5000$ [25 €], quando se trate das marcas M11 e M11a.

Ou seja, a linha de paragem associada ao semáforo (M8) continua a ser apenas uma, embora recuada, e deverá ser respeitada por todos os veículos motorizados. A lei mantém-se e é clara. Noutros países com legislação harmonizada são 2 linhas, a normal e uma avançada para determinadas classes de veículos – motas, ou bicicletas ou transportes públicos.

Os condutores de bicicleta poderão efectivamente ser multados por usar as Zonas Avançadas para Bicicletas, se encontrarem algum agente hiper-zeloso. Contudo, a iniciativa da autarquia de avançar com as ZAB torna esse cenário menos provável. Não há problemas intrínsecos de segurança causados por os condutores de bicicleta ultrapassarem a linha de paragem normal e ocuparem a bike box antes da marca da passadeira de peões enquanto esperam pelo verde (mas atenção às advertências explicitadas acima!).

 

zonas avançadas para bicicletas

Foto: Urbactiv

 

No Funchal lidaram com o atraso legislativo criando uma solução mais elaborada de bike box. 🙂

Já referi que é mesmo urgente que o governo avance de uma vez com a revisão do RST?…

 


 

Subscreva a nossa newsletter para receber a agenda de cursos e palestras e melhorar a sua experiência de uso da bicicleta.

Saiba mais sobre a Escola de Bicicleta da Cenas a Pedal e como pode tornar a sua experiência de uso da bicicleta na cidade mais confortável e mais segura.

 

zonas avançadas para bicicletas

Foto: Urbactiv