Escola de Bicicleta

mobilidade & recreio

Será surfar como andar de bicicleta?

Estou a ter aulas para aprender a surfar.

Faço-o por interesse pessoal, mas a ideia agrada-me também pela forma como me permite aproximar-me da experiência dos meus alunos de Nível 1 nas aulas de condução da Escola de Bicicleta da Cenas a Pedal. Há vários paralelismos que se podem traçar entre as duas actividades, e queria sentir-me uma principiante numa actividade física que envolve equilíbrio, propulsão, técnica, navegação do espaço e gestão de riscos, para me pôr ainda melhor na pele deles. (Diga-se, tenho andado a aprender também, mas autodidacticamente e a passo de caracol, a andar de patins, para um paralelismo com rodas! 😀 )

A ideia de me enfiar no mar e aprender a surfar dá-me medo. É pior antes, quando estou para marcar cada aula (farto-me de hesitar), mas muito dele dissipa-se durante a própria aula, felizmente.

Dá-me algum receio não conseguir aprender, claro. Mas não tenho razão para crer que isso será um cenário plausível – sei (pela minha experiência de instrutora de bicicleta) que no máximo precisarei de mais aulas do que alguém mais novo, mais atlético, ou simplesmente menos cerebral, ou com um melhor instrutor!

Mas os meus medos são outros. Medo de cair mal e magoar-me, seja na água ou já na areia, ou sobre uma pedra. Medo de colidir com outro surfista. Medo de levar com a minha prancha em cima (ou a de outra pessoa) e magoar-me. Medo de atrapalhar-me e, mesmo que não me afogue, engasgar-me com água. Medo de ser apanhada num agueiro ou outras correntes e não conseguir desenrascar-me sem ajuda. Medo de encarar uma onda grande ao regressar ao mar, sem saber o que fazer à prancha a que estou presa. Medo de uma qualquer picada de um bicho aquático. Medo de torcer qualquer coisa, de uma luxação, whatever. Não só pela dor e chatice do incidente, mas pelas consequências posteriores – a forma como me poderá limitar no dia-a-dia e no que quero fazer, e na minha capacidade de trabalhar normalmente.

Tenho medo mas vou à mesma, porque sei que depois surfar vai ser muito fixe. Toda a gente diz isso e consigo senti-lo. Há-de ser como andar de bicicleta! 😀

Percebi hoje ao falar com uma amiga depois da aula, que as pessoas não pensam todas necessariamente em todos estes riscos – não é que não se preocupem com eles, só não sabem ainda da sua existência. Ela, que não faz surf mas que anda de bicicleta no dia-a-dia, disse-me que, pensando em iniciar surf ou bicicleta, teria mais medo da bicicleta!

Contudo, agora que tenho a experiência de andar de bicicleta, de ensinar a andar de bicicleta, e de aprender a fazer surf, foi-me difícil perceber esta perspectiva. Até ela me dizer que nunca tinha pensado na maior parte dos receios do surf que listei acima. 🙂

Eu penso! Isso não me impede de ir à mesma, mas leva-me a ser cautelosa, e a valorizar bons instrutores e boas condições de aulas. Tendo já tido “primeiras aulas” com 4 instrutores diferentes em 2 escolas, vi a diferença que faz na minha segurança, na minha aprendizagem e na forma como me sinto durante as aulas.

Comecei a pensar, “será que as pessoas que nos procuram também se sentem assim quando iniciam as aulas?”.

Da minha observação, penso que as pessoas empolam o medo e os riscos da bicicleta na fase mais inicial, de perceber o equilíbrio rudimentar e manusear a bicicleta. Contudo, esses riscos estão fortemente dependentes das condições da aprendizagem, da bicicleta, do local, do método e da psicologia do instrutor. Na nossa escola reduzimo-los a quase nada. Mas as pessoas vêm a pensar que vai ser como viram irmãos, amigos, ou até filhos, a aprender, com muitas quedas pelo meio, medo, falhanços e frustrações. Não sabem que os que efectivamente chegaram a aprender pelo menos o básico, não aprenderam por causa das quedas e das ajudas tipicamente bem intencionadas mas mal capacitadas que tiveram, mas apesar delas.

Por outro lado, as pessoas subestimam largamente os riscos da bicicleta na fase pós-iniciação básica, básica. Já se equilibram razoavelmente a direito a curvar, já arrancam e páram e voilá, acham que já aprenderam e que “agora é só treinar”. Desconhecem por completo tudo o que é preciso aprender a fazer para efectivamente usar a bicicleta de forma segura, confortável e eficaz, e quanto tempo isso pode levar em modo auto-didacta (principalmente se só pegamos numa bicicleta de vez em quando). Já para não falar no facto de podermos andar anos e anos a andar regularmente de bicicleta e nunca chegar a aprender a assegurar ergonomia na bicicleta, a distribuir correctamente o peso na bicicleta para manter o equilíbrio e o controlo em todas as situações, a usar os travões de forma segura, a transpôr obstáculos, a usar as mudanças a nosso favor, etc, etc. (Nem falo na condução propriamente dita, claro.)

Percepções distorcidas do risco contribuem para que muitas pessoas nem se atrevam a tentar aprender a andar de bicicleta com profissionais, por não se aperceberem que pode ser super seguro e eficaz, e para que muitas outras não procurem desenvolver melhor as suas competências depois do eureka do equilíbrio, por não saberem os riscos que correm ao lançarem-se ao mundo real mal preparados. É realmente uma pena. Mas para as outras, estamos cá!

Quanto a mim, o surf e a bicicleta, se tudo correr bem, espero daqui a uns tempos ser eu de prancha na bicicleta até à praia, e não só os meus clientes da loja. Espero é que a CP me continue a deixar apanhar boleia nos seus comboios até Carcavelos e afins, com bicicleta e prancha… 🙂

 

CSR Mini

Testemunhos de alunos: Sónia C.

alunas escola de bicicleta cenas a pedal

 

«Nunca pensei sentir-me tão segura e feliz em cima da bicicleta e isso só foi possível com esta abordagem e aprendizagem.

Ana sempre super paciente, positiva e muito conhecedora da causa. Obrigada por tudo!»

Sónia C., aluna de uma das edições do Curso de Iniciação à Bicicleta, Lisboa, Novembro de 2017.

 

A Sónia frequentou um Curso de Iniciação à Bicicleta, no módulo de 8 horas para principiantes absolutos (ou seja, quem ainda não se equilibra minimamente em 2 rodas). Pretende continuar entretanto a sua aprendizagem na Escola de Bicicleta da Cenas a Pedal, comprar uma bicicleta e começar a andar nela para passear e no dia-a-dia, incluindo para levar os filhos à escola, tal como o marido.

Ficamos muito felizes por poder contribuir para tal – andar de bicicleta nas deslocações do dia-a-dia é bom para quem o faz e é bom para a cidade! 🙂

 

A Sónia a comemorar com as colegas as vitórias no final do Curso de Iniciação à Bicicleta, em Novembro de 2017.

Cyclehack: co-criação cultural nos usos da bicicleta

 

Este cyclehack do travão de parqueamento para bicicletas melhorou imenso a nossa vida. Não é à toa que foi o usado para fazer o vídeo de apresentação da 1ª edição do CycleHack Global em Lisboa, em Junho do ano passado, na Maker Faire.

 

https://cyclehacklisboa.tumblr.com/post/145309875591/aqui-partilhamos-um-cyclehack-que-vos-será-muito

 

E a mim este outro truque do transforma-a-saia-nuns-calções, o “pennyinyopants”, deu imenso jeito, foi uma grande descoberta também!

 

Penny In Yo’ Pants: The Prototype from Penny in Yo’ Pants on Vimeo.

 

Sim, funciona mesmo!

 

https://cyclehacklisboa.tumblr.com/post/145925943008/no-fim-de-semana-do-cyclehack-lisboa-podes

 

É por este exercício divertido de criatividade e partilha de experiências e de ideias – e descobertas! – que este movimento do CycleHack é tão positivo, e tão interessante. E é por isso que vamos lá estar batidos novamente este ano.

Foi fixe ter a Escola de Bicicleta da Cenas a Pedal a contribuir para a 1ª edição em Portugal do CycleHack, em 2016, intervindo no painel de oradores, falando de cultura e infraestrutura.

Este ano há nova leva de oradores, e nova oportunidade de inventar coisas giras que façam diferença na vida de quem opta por andar de bicicleta. ‘Bora daí? 🙂

Passeios de bicicleta mais inclusivos

No final do ano passado lançámos na Escola de Bicicleta da Cenas a Pedal a modalidade do Recreio, que consiste em passeios de bicicleta mais inclusivos do que a oferta típica.

Fizémo-lo a pensar nas necessidades dos nossos alunos e ex-alunos, bem como de outros principiantes,  pessoas que retornam à bicicleta depois de décadas afastadas, e famílias com crianças. (Embora quaisquer outros interessados em desfrutar de um passeio descontraído sejam bem-vindos!)

O objectivo é proporcionar-lhes um contexto compatível com o seu nível de habilidade, e amigável, onde possam desfrutar da bicicleta sem stress, conhecer rotas (e pessoas) e ir praticando as suas competências, sempre com companhia e apoio. Queremos evitar que desistam da bicicleta por ficarem intimidados pelos passeios colectivos tradicionais ou com a perspectiva de se fazerem à estrada sozinhos.

E como não se pretende permanecer para sempre no estado de principiante, a ideia é promover também passeios ou excursões para introduzir as pessoas a passeios mais elaborados ou até viagens de 2-3 dias.

 

Passeios de bicicleta mais inclusivos

Entretanto, alguns destes passeios (os de Nível 1) são ainda mais inclusivos, porque têm os triciclos do projecto “Envelhecer em Cidadania”, da Coração Amarelo, nossa parceira, à disposição para quem quiser participar com um amigo ou familiar que não possa pedalar a sua própria bicicleta. A participação de ambos é gratuita.

 

passeios de bicicleta mais inclusivos com os triciclos da Van Raam

 

Há 4 rotas para estes passeios de bicicleta mais inclusivos, todos a partir de Belém (onde estão guardados 2 dos triciclos), e todos adequados a principiantes e famílias. São mesmo para quem ainda não se sente muito confiante mas quer corrigir isso e começar a desfrutar da bicicleta no processo.

 

Para terem uma ideia do que são estes triciclos e do que permitem, vejam este vídeo:

 

 

Os triciclos são muito confortáveis para o passageiro, mesmo em piso irregular (têm supensão dianteira), e bastante estáveis e fáceis de conduzir. Nós sabemos, já os testámos!

 

passeios de bicicleta mais inclusivos com os triciclos da Van Raam

No dia do test ride e avaliação de compatibilidade com a rota, até tivemos a sorte de receber um livro de brinde, oferta do Manuel Costa Félix, o entusiasta das bicicletas no outro lado desta parceria.

 

»» Neste próximo sábado, dia 22 de Abril às 14h30, teremos mais um destes passeios inclusivos, este vai levar-nos de Belém até Caxias, e de volta, junto ao rio. As inscrições fecham amanhã! ««

 

De notar que os interessados em levar o avô ou a avó a passear nestes triciclos o podem fazer fora do contexto destes nossos passeios, basta contactarem com antecedência a Coração Amarelo, a combinar, e eles enviam um voluntário!

Para receberem a agenda de passeios, eventos, workshops, etc, subscrevam a nossa newsletter mensal. De resto, podem seguir a agenda no Eventbrite e no Facebook da Escola de Bicicleta, ou no Facebook geral da Cenas a Pedal.